Garantir a qualidade nos processos dos laboratórios clínicos é uma responsabilidade de todos profissionais da área. O controle da qualidade deve fazer parte da rotina dos exames, para assegurar que o resultado final seja o mais preciso possível. Para tanto, é imprescindível a utilização e investimento de esforços inteligentes na prática diária.

Os laboratórios de análises clínicas têm um papel essencial na sociedade, o de detectar e indicar enfermidades, por meio de seus exames. Uma estimativa mundial, feita pela ‘Labs are Vital™’, indica que, em média, 70% das decisões médicas são baseadas em exames laboratoriais. Com isso, eleva-se a responsabilidade dos laboratórios em entregar resultados seguros e corretos.

Com 18 mil laboratórios de análises clínicas no Brasil, segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o trabalho realizado dentro de cada um deles está diretamente relacionada à qualidade de vida da população.

O paciente é colocado em risco quando não são tomadas as devidas precauções de segurança durante os processos de um exame, esses que vão das fases pré-analíticas, como as coletas de amostras, passando pelas analíticas e até as fases pós-analíticas, como na interpretação médica. Para isso, a realização de forma eficaz e responsável do controle da qualidade entra como garantia para o correto diagnóstico e orientação de conduta.

“Nós nos apoiamos nas informações entregues pelos laboratórios para complementar diagnósticos e condutas para nossos clientes. Ter confiança nos resultados que recebemos ajuda a assegurar a decisão correta e o benefício para o paciente”. Completa Dr. Silvio de Almeida Basques.

O Controle da Qualidade foca no atendimento dos requisitos da qualidade, como por exemplo, a RDC 302/2005 da Anvisa, possibilitando avaliar a precisão e exatidão dos métodos analíticos. A realização do Controle da Qualidade é importante para o benefício dos pacientes e para que o profissional tenha mais confiança em seus resultados.

O laboratório clínico que incorpora conceitos e métodos científicos, eleva o seu patamar de atuação, aumenta a sua credibilidade e a participação de seus colaboradores. A realização do Controle da Qualidade deve ser encarada da forma correta e com eficácia. Logo, fazê-lo apenas por fazer ou de forma incorreta torna-se perda de tempo, além de desrespeito com os pacientes.

Para os laboratórios clínicos que ainda não realizam o Controle da Qualidade, há opções de acesso ao conhecimento, como materiais científicos, disponíveis gratuitamente na página do QualiChart, que facilitam a iniciação. Além disso, deve-se buscar contatos com fornecedores de reagentes e materiais de controle e planejar o início para um conjunto de analitos/exames, expandindo depois para todo o laboratório.

Com os métodos de controle existentes nos dias de hoje, como critérios, parâmetros e o programa de computador que realiza os cálculos estatísticos e apresenta os alertas, fazer o controle tornou-se prático e ao alcance de todos. Com isso, a realização desse processo possibilita a qualidade e a compensação no reconhecimento dos clínicos, dos órgãos de regulamentação e da sociedade.